quarta-feira, 23 de junho de 2010

Meditação

Rico, famoso e solitário


E Me deixareis só; contudo, não estou só, porque o Pai está comigo. João 16:32

Luís Palau escreveu que, seis semanas antes de morrer, Elvis Presley foi entrevistado por um repórter, o qual lhe perguntou:

– Elvis, ao começar sua carreira musical, você disse que queria três coisas na vida: ser rico, famoso e feliz. Você é feliz?

Elvis respondeu que se sentia solitário. Rico, famoso, mas solitário.

Talvez você também se sinta solitário, não importa sua condição financeira, e mesmo estando cercado por muitas pessoas. As pessoas mais solitárias do mundo moram em cidades grandes, com milhões de habitantes.

Algum tempo atrás o jornal Portland Oregon publicou a notícia de um conhecido psicólogo clínico que se suicidou. Ele havia deixado um bilhete, com a seguinte mensagem: “Esta noite eu me sinto cansado, sozinho e velho. Vocês só compreenderão completamente estes sentimentos quando também se sentirem cansados, sozinhos e velhos.”

Que ironia! Um homem preparado para ajudar pessoas a encontrar significado para a vida, não conseguiu descobrir sentido para a própria existência!

Esse vazio, comum a todos os seres humanos, não é simplesmente uma questão psicológica. É um problema espiritual, causado por nossa separação de Deus. As tentativas de abafar os sentimentos de solidão são infrutíferas, porque o vazio sempre retorna. Rejeitar a Deus causa isolamento e solidão.

A única maneira de derrotar esse tipo de solidão, que alguns chamam de “solidão cósmica”, é nos voltarmos para Deus em busca de companheirismo. Jesus Cristo prometeu: “De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hb 13:5). Esta é uma promessa valiosa em períodos de depressão, e parece ser uma referência a Deuteronômio 31:6: “Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque o Senhor, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.”

Deus fez esta mesma promessa a vários dos Seus antigos santos: Jacó (Gn 28:15), Josué (Js 1:5), Salomão (1Cr 28:20) e outros, e pode ser também apropriada pelos crentes modernos.
Jesus, em Sua hora de maior necessidade, foi abandonado pelos discípulos. Mas a ausência de auxílio humano foi contrabalançada pela presença constante do Pai celeste. E essa mesma presença é prometida a todos nós. Ele garante que jamais nos abandonará.

Creia nisso e sinta-se bem acompanhado.

fonte: Meditações diárias 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que legal receber seu comentário!