quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Deixando a Porta Aberta.


Neste fim de semana tivemos um culto um tanto diferente. Logo na abertura do culto fomos surpreendidos por uma poesia apresentada pela Clarice que encantou o nosso coração. A poesia nos fez refletir sobre os acontecimentos atuais que atravessamos na igreja e a pensar no nosso papel frente ao futuro que está btendo à porta. Os louvores foram maravilhosos. Ainda me lembro dos movimentos dóceis das meninas do Celebrarte fazendo a coreografia que dava vida à letra dos louvores.
Tivemos um momento de oração muito especial quando intercedemos pelas pessoas que precisavam de uma oração específica.
A mensagem do culto foi baseada em Ez 43.1-5 que fala da visão de Ezequiel quando da chegada da Glória de Deus.
Apenas para que você entenda o que quero dizer e para que fique registrado este marco tão importante em nossa história, permita-me compartilhar com você o conteúdo desta mensagem.
Quando li o texto que relata esta visão de Ezequiel, a impressão que tive era de que a visão não era clara o suficiente para que Ezequiel pudesse entender tudo o que ela significava. Veja abaixo o texto:
"(1)Então me levou à porta, à porta que olha para o caminho do oriente. (2)E eis que a glória do Deus de Israel vinha do caminho do oriente; e a sua voz era como a voz de muitas águas, e a terra resplandeceu por causa da sua glória. (3)E o aspecto da visão que tive era como o da visão que eu tivera quando vim destruir a cidade; e eram as visões como as que tive junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto. (4)E a glória do SENHOR entrou na casa pelo caminho da porta, cuja face está para o lado do oriente. (5)E levantou-me o Espírito, e me levou ao átrio interior; e eis que a glória do SENHOR encheu a casa. (Ez 43.1-5)
Observe que no verso (3) o profeta afirma que a sua visão era parecida com uma visão de destruição. Não parece estranho a visão da chegada da Glória comparada à visão de destruição?
Vamos tentar entender. Quando observamos o contexto de livro de Ezequiel percebemos que o povo de Israel encontrava-se em um decadência moral e espiritual intensa. Não era de se estranhar que diante destas circunstâncias Ezequiel não visse com muita clareza qual era o significado da visão? Não é assim que acontece conosco quando estamos enfrentando problemas? Quando estamos enfrentando adversidades parece que nunca mais vamos nos ver livre das circunstâncias que nos prendem. Veja que Ezequiel "caiu sobre o seu rosto".
Entretanto não podemos nos esquecer que os versos (1) e (2) nos dão a idéia de algo muito grandioso. A visão da chegada da Glória de Deus era algo estrondoso.

Quando chego no verso (4), a sensação que tenho é de alívio. O profeta afirma que viu a Glória de Deus entrar pelo caminho da porta. Foi exatamente neste ponto que Deus resolveu mostrar a Ezequiel o que havia no átrio interior: a Glória de Deus enchia a casa. Aleluia.
Foi exatamente isto que aconteceu no culto de Domingo, vimos a glória de Deus encher o nosso coração e provocar uma alegria imensa aos que ouviam a palavra.
Encerramos o culto cantando o louvor "Entra na minha casa" de Régis Danese.
A proposta para encerramento do culto foi que aqueles que cressem que Deus poderia enviar a sua glória para encher a sua casa deveriam "deixar a porta aberta".
Agradeço a Deus por esta revelação da sua palavra e quero convidar você a um exercício de fé: Que tal deixar a porta aberta?

Abraço.

Pr Helio Morais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que legal receber seu comentário!